Verdades inconvenientes (para algumas pessoas)


Assim como não gosto que alguém que nada sabe sobre determinado assunto opine como se soubesse muito acerca daquilo (exemplo: uma pessoa que não é médica nem tem qualquer tipo de formação nessa área opina como se fosse médica) também não gosto quando algumas pessoas consideram que um drama é resolvido porque conhecemos alguém que trabalha numa área igual ou semelhante. Agora que tenho alguém tão próximo de mim e doente (isto é praticamente um eufemismo para: está prestes a morrer a qualquer momento) tenho-me apercebido que ambas as atitudes me têm incomodado. Ora me dizem variadas coisas e sugestões... Ou me dizem que estamos cheios de sorte, porque, afinal de contas, o meu pai é cientista. Sim, o meu pai é cientista. O facto de ele ser cientista não faz com que uma vida não se acabe de um momento para o outro. O facto de ele ser cientista e saber imenso sobre imensas coisas, não faz com que ele não olhe para este caso e também veja a dura realidade. Ele não pode inventar tratamentos em horas. Nem em dias. Enfim... Respiro fundo. A minha angústia e o meu sofrimento não me permitem chatear-me com nada nem pedir para que as pessoas não digam estas coisas. Deixo andar. É a vida. Escrevo só aqui para tirar isto de mim e depois fico normal. Além de que todas as restantes pessoas são compreensivas e adoráveis.

11 comentários:

...Ju... disse...

é uma mania tipicamente "tuga". A de mandar bitaites e serem todos muito informados sobre tudo!

Muitas vezes ajudam mais ficando calados, apenas disponiveis.

dee disse...

:( triste é não poder fazer muito (ou quase nada) pelas pessoas, quer se seja cientista ou não.

Olívia Palito disse...

"Muitas vezes ajudam mais ficando calados, apenas disponíveis." A Ju aqui disse tudo. :)

Beijo e ânimo Miss Daisy*

pedro ferreira disse...

Apesar de ser uma afirmação que revela alguma ignorância penso que também que queria dar alguma esperança e de certa forma tentar abrir uma possibilidade para reverter o cenário actual e isso é positivo. Eu que nunca tive numa situação tão grave, mas já apanhei dois sustos com pessoas muito proximas, desejo-te força para aguentar essa angustia de que falas.

Um abraço

Pedro Ferreira.

Agri Doce disse...

Quando não se sabe, o silêncio é a coisa mais inteligente...mas o português adoora opinar.
Força nesta batalha :)

aqui mesmo disse...

Apesar de, pelo que dizes, o "assunto" ser mesmo grave nao te deixes ir abaixo. Força*

Helena Barreta disse...

Sei,infelizmente, por experiência própria, que as palavras que queríamos ouvir vindas de quem sabe, de quem estudou e analisou a nossa pessoa fossem carregadas de optimismo e que por força do nosso amor a doença desaparecesse, assim como que por magia.

A mim, o que me deixa fora é esta minha impotência para travar a doença.

Um abraço apertadinho

Myann disse...

Boa tarde! Há um selo para ti no meu blog :) *

Inês disse...

muita muita muita força:)

Mie disse...

Entao o portugues sabe sempre tudo, ate mete aflicao.
Coragem !

Margarida disse...

Parece que isso é mania comum...
Mas apesar de irritar, a verdade é que as pessoas só tentam ajudar um pouco... não ajudando, é certo, mas na inocência de que o poderão estar a fazer... Algumas, claro. Depois há as outras que falam por falar, apenas...

Um beijinho para ti