De como os fatos de Carnaval são importantes


É incrível a quantidade de pessoas à volta dos fatos (imensas) e a quantidade de fatos minimamente engraçados e bem feitos (quase nenhuns). É incrível o preço deles, mas mais incrível é o preço que por eles se pagava aqui há uns anos atrás. Enfim, em cem (e literalmente) dois, três fatos, no máximo, aproveitam-se, pelo pouco que se vê quando se passa por eles. Mas no meio do Carnaval, de fatos e de confusão nos supermercados, há ainda lugar para diálogos destes.

Diálogo número 1

Mãe da criança: Daniela, não estejas só a mexer no fato de carnaval, deixa-o estar sossegado no cesto. Agora está escolhido, já estamos aqui na fila para o peixe.
Criança: Mãe, não vou de Princesa.
Mãe da criança: Mas porquê? Olha que este vestido é tão giro, azul claro. E havia lá em cor-de-rosa e em amarelo.
Criança: Mãe, eu não quero ir de Princesa, não vou, não vou! Eu nem sequer me pareço com nenhuma das Princesas.
Mãe da criança: Eu acho que ires sempre vestida de animal não tem piada. Num ano de abelha, no outro de cão. Até de gata querias ir este ano. Ao menos vai de fada ou de índia. Vai lá trocar então. Não tragas é nada estranho. Acho que devias ir de Princesa.
Criança: Mãe, não queria de gata. É a Hello Kitty, é diferente. E as Princesas têm Príncipes. Eu não tenho nenhum namorado lá na escola. Vou trocar.
Criança grita lá do fundo da zona dos fatos: Mãe, Mãe, já sei, vou de freira!

Diálogo número 2

Estava eu já na fila para pagar as coisas na caixa, quando oiço:

Pai da criança: Ele traz que fato, afinal?
Mãe da criança: De Mosqueteiro... Não consegui convencê-lo a trazer o de Palhacinho.
Pai da criança: Filho, porque é que não queres ir de Palhaço? Os fatos são tão giros, até podias usar aqueles sapatões enormes e um nariz de palhaço.
Mãe: Ainda vamos a tempo de ir trocar, queres? (imaginar os olhos cheios de esperança)
Criança: Não, desculpa mãe, mas eu não quero mesmo ir de palhaço. Prefiro ir de outra coisa qualquer.
Mãe da criança desiste da cruzada e começa a pôr os produtos na caixa.
Pai da criança: Diz-me lá porque é que não queres ir de palhaço, diz lá ao pai, vá, achas que são muitas cores, é isso?
Criança: Não pai, mas o Luís e o Pedro estão sempre a chamar-me de Palhaço. Não queria que me vissem assim e achassem que tinham razão.

6 comentários:

Telma ♥ disse...

Bom post.. *

Mafalda Gouveia disse...

O 1º diálogo está super engraçado. Têm o seu lado hilariante. Já o 2º... os pais devem no ter "engolido em seco".

Um beijinho! (:

saracr disse...

eu ouxo perolas dexas kuase tds os dias,ou n foxe educadora :)
As crianças n metem,n sua inocencia,dizem boas verdades.

...Ju... disse...

coitadinho do segundo miudo! :$

M A R I S A ' disse...

ahah coitados :)

Heriwen disse...

Que pérolas!
Como as crianças nos deixam a pensar...