Da inegável solidão interior

Passamos a nossa vida a tentar acreditar que existem mais pessoas no mundo que passam pelo mesmo que nós, que possivelmente sentem o mesmo que nós, que caíram como nós e se levantaram como nós. Acreditamos nisso porque em parte nos obrigamos a acreditar que não estamos sós. Ninguém quer estar totalmente só.
E acreditamos nisso porque realmente sabemos, pela lógica natural da vida e das coisas, que seria altamente improvável ninguém mais sentir o que sentimos, ninguém mais viver o que vivemos. De certo modo, vivemos nesta crença de que não estamos totalmente sós. Uma crença que apenas é abalada nos maiores momentos de tristeza ou alegria. Quando estamos tão miseráveis na nossa tristeza que pomos em causa a nossa crença. Afinal de contas, como seria possível alguém sofrer mais do que nós? Na nossa cabeça, por escassos segundos, não é possível. Até que respiramos fundo e vemos que claro que existem mais dezenas ou centenas de pessoas que sofrem tanto como nós. E se calhar outras tantas que sofrem mais, muito mais.
É nesses dias que nos apercebemos que a nossa crença tinha uma grande parte de verdade. Mas a crença é errada, chegando a ser falsa, numa pequena parte. Na medida em que somos únicos. Não pode existir ninguém à face da Terra que sinta exactamente como nós. São esses muros invisíveis que existem à nossa volta que nos atiram de regresso para a nossa inegável solidão interior. De cada um de nós ser isso mesmo: um. E não dois, três, quatro, dezenas, centenas.
Os outros podem sentir-se tão felizes ou infelizes quanto nós. Mas não o sentem nunca como nós. A proporção pode ser a mesma. O sentimento nunca é igual.

10 comentários:

S* disse...

Porque somos todos diferentes, apesar de parecermos tão iguais. E as pessoas nunca gostam de nós na medida em que gostamos deles... gostam mais ou menos, nunca igual.

Ana disse...

Nunca li nada que me fizesse tanto sentido... :) É verdade. O sentimento NUNCA pode ser igual.

Matilde disse...

Adorei

Ao Virar da Esquina disse...

Quando era pequena a minha mãe olhou para mim e disse: o único momento da tua vida em que não estiveste realmente só foi quando nasceste, porque a partir dai o percurso é solitário e nem na morte tens a garantia que não estrás só. Para uma criança de 8 anos tudo aquilo pareceu estranho, mas passados 20, essas palavras fazem todo o sentido. E eu poderia dizer, mas eu não estou só, tenho os meus pais a minha familia, os amigos... Claro que estou só, sempre estive, estas pessoas só fazem companhia á minha solidão.

Su

PS: gosto muito da tua forma de escrever e abordar os assuntos, criamos sempre a ilusão de que estamos menos nós quando alguém escreve ou diz algo com que concordamos plenamente.

Fiona disse...

adoro os textos textos. tens uma capacidade de experimir sentimentos de forma inigualável :)

Sabor Adocicado* disse...

"Não pode existir ninguém à face da Terra que sinta exactamente como nós"

sem dúvida.. para além disso há também todo um conjunto de variáveis que definem a "espécie" de solidão

uns estão verdadeiramente sós, outros "sozinhos no meio da multidão", outros ignorados pela família ou amigos, ou presos a uma relação que não os preenche seja pelo que for...
na verdade todos nos sentimos sós, não é? pelo menos em algum momento ao longo da nossa vida. Eu acredito que sim. Há sempre alguém que não nos dá tanto afecto como gostaríamos.

Mas n há dúvida que só cada um sabe de si... podemos ter todos momentos de solidão, mas cada um sabe da sua melhor que ninguém.


gostei muito do texto (:

bécas disse...

Não tiro nem acrescento, apenas peço que nunca deixes de colocar estes teus posts excepcionais! (:

Miss B-Beautiful disse...

Nós na realidade nunca sabemos que batalhas cada pessoa trava na sua vida. Há pessoas que vivem melhor outras que vivem pior, há umas mais felizes outras menos. Mas nós apenas conhecemos realmente a nossa vida. A nossa realidade. A nossa dor. Porque é nossa, porque nós é que a sentimos. Mais ninguém.

Mas não nos podemos iludir com os sorrisos dos outros. Por vezes, escondem muita tristeza!

Beijinhos e bom fim-de-semana,~
Miss B*

Pinkk Candy disse...

por mais que saibamos que há quem esteja pior que nós, que há sempre, o nosso sentimento, esse ninguém o pode sentir por nós, e isso, faz toda a diferença, do nosso mundo.

Meu Equilíbrio disse...

Adorei o teu blog e este texto faz tanto sentido... Foi sentido por mim, que ninguem nunca entenderá o q sinto e o q estou a passar... Fácil é dizer, segue em frente, mas sinto-me metade...